17set

Imagens são importantes ferramentas da Comunicação Interna

A banalização de informativos na Comunicação Interna é um desafio para empresas de médio e grande porte. Seja pela vastidão de segmentos e públicos, seja pela distância entre os colaboradores de diferentes polos, a necessidade de comunicar tudo o que é demandado culmina com o desinteresse do público diante de mais um e-mail ou mais uma folha colada no mural. Comunicar exige esforço e investimento, especialmente se o objetivo é comunicar de fato, e não apenas enviar comunicados.

Comunicar exige o tripé básico: emissor – mensagem – receptor, em que um emissor tem algo a dizer para alguém.  O fato é que o meio pelo qual essa mensagem emitida chegará ao receptor e o código do qual ela se servirá é o que diferencia um simples comunicado de uma comunicação efetiva.

A escolha do canal passa por uma avaliação contextual e surge a pergunta: onde eu vou colocar essa informação para que ela atinja meu público? Já no estabelecimento do código, a questão é: o que eu vou usar – tipo de linguagem e imagens – para que meu público entenda e internalize a informação? Nesse processo, a  criatividade entra para fazer toda a diferença no planejamento da Comunicação Interna.

O planejamento dos meios pelos quais a mensagem vai chegar ao público interno precisa estabelecer o código a ser implementado que melhor dialoga com o receptor. Somos seres visuais e isso pressupõe que, além do texto, a identidade visual  e a disposição das informações seja ponto importante na Comunicação Interna.

Já é sabido que o apelo visual de uma peça publicitária é pensado minuciosamente para reforçar uma mensagem, e na Comunicação Interna não é diferente. Imagens, cores, fontes e diagramação são tão importantes quanto o texto para comunicar, unindo-se ao fato de que podem ambientar as mensagens dando tom complementar às informações, tudo isso levando em consideração, especialmente, a mensagem e o meio.

Tendo ambos definidos, a criação entra em campo propondo a melhor forma de apresentar a ideia, unindo layout e informação visual à mensagem em si, afinal, não é a toa que costumamos usar o ditado: uma imagem vale mais que mil palavras.

Unir mensagem com imagens que complementem a informação faz com que o público identifique o teor da informação antes da leitura. Em tempos de enxurrada de informações compartilhadas diariamente é preciso oferecer uma forma rápida de seleção de leitura.

Diante de todos os e-mails que se abre durante o expediente, selecionamos, muitas vezes sem pensar muito, o que vamos ler ou não. Uma imagem que identifique uma campanha interna na empresa, um nicho de mercado ou  uma área específica faz com que o leitor saiba imediatamente se a leitura o interessa, passo importante para evitar a banalização dos informativos dentro de uma organização.

Dessa forma, a comunicação acontece de fato, trazendo posicionamento de identidade organizacional, que será refletida na imagem da empresa perante o consumidor. O público interno é, ao mesmo tempo, público externo e disseminador de informação também. Um colaborador pode ajudar na criação da imagem da empresa ou prejudicá-la tendo em mãos o poder das redes sociais. Se esse sujeito é impactado de forma coerente com as mensagens que a empresa presa, se torna um multiplicador positivo.