• Blog
  • Artigo
  • 6 grandes desafios da Comunicação Interna e como superá-los

6 grandes desafios da Comunicação Interna e como superá-los

desafios da comunicação interna

6 grandes desafios da Comunicação Interna e como superá-los

Com tantos departamentos, setores e profissionais diferentes, criar uma estratégia que seja capaz de alinhar a Comunicação Interna de uma companhia e torná-la eficiente pode ser um verdadeiro desafio.

Além de se ter um bom gerenciamento de crise, é importante que os gestores saibam como evitá-la. Identificar problemas e corrigi-los antes que se tornem verdadeiras complicações, entretanto, é mais simples do que pode parecer: basta estar atento à cadeia de processos e garantir que flua livremente.

Mas, e você, sabe como reconhecer os problemas na sua cadeia de processos? Para lhe auxiliar nesse sentido, apresentamos hoje os 6 grandes desafios da Comunicação Interna e como agir para superá-los de maneira eficaz. Acompanhe.

1. Falta de habilidade de comunicação do líder imediato

Fazer com que as lideranças se sintam ouvidas e incluídas nos processos de comunicação, criando ações integradas, é uma das principais dificuldades encontradas por empresas de todo o país.

Segundo estudo da International Associations of Business Comunicators (IABC), a percepção dos colaboradores quanto ao negócio como um todo se dá 55% a partir da liderança, 30% a partir de seus processos e apenas 15% por meio dos veículos formais.

Por isso, capacitar e engajar os líderes da chefia imediata para que sejam verdadeiros agentes de comunicação é uma tarefa que exige trabalho contínuo: assim, ele se torna um elo entre os colaboradores e a missão do negócio, além de servir de instrumento para que a comunicação flua livremente entre todas as suas partes.

2. Falta de participação estratégica

Grande parte dos gestores ainda não compreende a real importância de se investir na comunicação da equipe e contar com pessoal especializado em fortalecer os processos de sua empresa. Isso faz com que os demais colaboradores acabem sobrecarregados e não consigam focar em seu core business.

É claro que, em certos casos, é impossível contar com todo um time específico para a comunicação. No entanto, é essencial que o gestor invista em interação. Atitudes simples como conectar espaços físicos, criar espaços de reunião com representantes de todos os setores e pedir feedback já são suficientes para melhorar os processos de comunicação no negócio.

Nesse sentido, vale a pena acompanhar de perto e mensurar indicadores da Comunicação Interna, sendo que o gestor deve sempre optar por aqueles que estejam diretamente ligados aos objetivos estratégicos da companhia, definindo propósitos que vão além do simples “distribuir comunicados”.

A mensuração deve ter foco em resultados: o administrador deve preferir medir os impactos gerados por uma mensagem — no sentido de comportamento e atitude — a quantificar apenas o número de pessoas que abriram um e-mail enviado, por exemplo.

3. Falta de recursos e investimentos

Muitas vezes, o setor de comunicação de um empreendimento é deixado de lado e não ganha nenhum tipo de investimento. Isso acontece, sobretudo, em função da baixa percepção de valor por parte da chefia com cargos mais elevados.

Entretanto, não valorizar o poder das estratégias voltadas para a Comunicação Interna de um empreendimento pode deixar o time sobrecarregado, com mais tarefas do que pode suportar e com tecnologias completamente ultrapassadas para desenvolver suas atividades.

A tecnologia disponibilizada na empresa deve ser suficiente para garantir uma Comunicação Interna e externa fluida e segura, sendo responsabilidade dos gestores proporcionar as ferramentas adequadas para que os colaboradores possam trabalhar e o próprio negócio consiga ganhar em produtividade.

4. Não alinhar a missão e a cultura do negócio

Não raro, a missão e os valores da companhia estão descritos em crachás, cartazes e documentos em geral. Ainda assim, quando os colaboradores são questionados sobre esses conceitos, poucos conseguem falar sobre ou mesmo responder se concordam com eles, evidenciando que não estão enraizados à cultura organizacional do negócio.

É muito importante que os direcionamentos dos negócios estejam bem definidos e preestabelecidos, mas também é essencial que de tempos em tempos ele sejam repensados (sobretudo com sugestões dos colaboradores) e sejam possivelmente remodelados.

Isso porque uma diferença considerável entre modo de pensar do colaborador e aquilo o que a empresa realmente quer propor, pode trazer resultados ruins e baixa produtividade, além de criar um ambiente de trabalho desconfortável.

Por isso, vale a pena fazer uma divulgação sistematizada dos valores e objetivos do negócio (por meio de memorandos e mesmo pela intranet, por exemplo) já que, assim, todos podem internalizá-los e agregá-los em seu dia a dia.

5. Não engajar os colaboradores

O modelo de “torre de marfim” responsável por afastar colaboradores da chefia não é mais funcional para qualquer tipo de negócio nos dias de hoje: confinar diretores e presidentes em uma sala e blindá-los tem se mostrado cada vez mais contraproducente, já que vivemos em uma era de cultura global e interconectada, e os espaços físicos de trabalho devem refletir essa nova realidade.

Moldar o espaço físico priorizando a interação entre todos os colaboradores e a chefia é primordial, já que a comunicação é uma das melhores ferramentas organizacionais para se evitar que todos eles fiquem desanimados, confusos, isolados e estressados.

É importante, assim, investir na aproximação da equipe. Um almoço de comemoração no final do mês, presentes por metas alcançadas, lembranças pelo aniversário… Pequenas medidas são interessantes para mostrar que a empresa se preocupa com seus colaboradores — e não apenas em ocasiões como festas de fim de ano.

6. Não compartilhar resultados

De nada adianta garantir que a missão e os objetivos da empresa estejam alinhados com seus processos — permitindo que a comunicação transcorra livremente entre todos seus setores e colaboradores — e não compartilhar resultados e valorizar as conquistas do time.

Compartilhar os sucessos com o público interno é essencial, já que o ganho em performance e resultados positivos nada mais é que o resultado do esforço em conjunto de estratégias funcionais, colocadas em prática tanto pelos chefes quanto pelos colaboradores.

Agora que você já entendeu quais são os maiores desafios da Comunicação Interna das empresas e também já sabe como superá-los, que tal conhecer o nosso passo a passo para elaborar uma estratégia nesse setor, personalizada para o seu negócio? Até o próximo post!

Trackback do seu site.