Transparência Organizacional: o que é e como adotar?

A transparência organizacional é uma tendência de mercado que vem ganhando espaço e conquistando empreendedores no Brasil e no mundo. Essa forma de administrar é um dos pilares da Governança Corporativa.

Empresas especializadas, de vários segmentos, estão conseguindo aumentar significativamente seu lucro anual após adotarem essa nova forma de gerenciamento. Seus princípios também envolvem a equidade, a prestação de contas (accountability) e a responsabilidade corporativa.

Não é difícil se empolgar com tal conceito depois de conhecê-lo e ver os resultados de sua implantação. Contudo, é necessário seguir alguns passos e atentar para alguns detalhes antes de colocar as mãos na massa e tornar a gestão de sua empresa mais transparente.

Se você quer saber mais sobre um dos pontos mais fortes da atual administração de empresas — a transparência — continue lendo o texto e tire suas dúvidas!

O que é transparência organizacional?

Gerenciar bem uma organização empresarial é uma arte. Desde a Revolução Industrial, gestores têm se adaptado e transformado a forma como lidam com colaboradores, sócios, acionistas, mercado e demais interessados nos negócios. Atualmente, não basta se preocupar apenas com o lucro e deixar de lado temas importantes, como imagem interna e externa da corporação, sustentabilidade, prestação de contas etc.

A transparência organizacional é o autêntico desejo de informar. E isso vale para os pontos fortes e pontos fracos, pois todos eles precisam ser trabalhados.

Assim sendo, uma companhia que deseja alcançar a melhoria na sua representação e na sua competitividade deve ter a consciência de que, se todos os profissionais interessados se envolverem, os objetivos serão conquistados em menos tempo e com maior excelência.

Acompanhe, abaixo, algumas vantagens de trazer a transparência para os âmbitos da organização:

1. Melhora no clima organizacional

Pode-se definir clima organizacional como o conjunto de atributos mensuráveis do local de trabalho percebido, direta ou indiretamente, pelas pessoas que vivem e trabalham nesse local. Essas características ambientais influenciam na motivação e no comportamento desses sujeitos.

Quem é que, em perfeita saúde mental, gostaria de conviver em um ambiente pesado, cheio de tensões, dúvidas e incertezas? A resposta para essa pergunta é bem simples: ninguém! Esses fantasmas desaparecem de uma organização quando se trabalha com transparência.

Os colaboradores sabem o que acontece na organização, seus problemas e conquistas, e podem opinar. Isso faz com que se sintam participantes ativos, e como parte integrante da empresa, que influencia e é influenciada por ela, a motivação para ver resultados melhores é crescente.

Nesse quadro, a segurança de se estar onde há valorização do colaborador passa a ser fator decisivo, o que eleva a autoestima e a autorrealização. O impacto disso no ambiente é positivo e facilmente percebido.

2. Maior colaboração

Com a transparência organizacional, cada colaborador sabe exatamente qual é o lugar que ocupa na empresa e quais sãos suas funções. Nessa lógica, a hierarquização perde seu sentido e a palavra cargo deixa de ter um significado restrito, ligado à obrigação.

Isso não quer dizer que não haverá um líder. Ele estará presente, mas seu papel será diferente. Por sua vez, os juniores devem ouvir quem está há mais tempo na empresa, mas eles também têm voz ativa.  O respeito mútuo é o ponto central das relações.

A tomada de decisão é em conjunto. Com a cooperação da equipe inteira, a gestão não é mais vertical, mas horizontal. Com isso, a colaboração não vem de apenas um profissional — todos se empenham para ver a organização ser destacada no mercado em que atua.

3. Aumento da confiança na equipe

Nem todas as pessoas estão preparadas ou, até mesmo, dispostas a participar de uma corporação com transparência organizacional. E um dos porquês disso é que ser parte de uma empresa transparente exige de volta que a pessoa também o seja.

Uma questão interessante que surge é a de como a pessoa se relaciona com ela mesma. Se alguém não está pronto para ser transparente consigo, então, não estará pronto para participar de um grupo que exija esse comportamento de seus membros.

Em contrapartida, após montar uma equipe que sabe o que esperar da organização e tem consciência do que deverá oferecer em troca, a confiança é plenamente estabelecida.

4. Valorização dos feedbacks

“Eu sabia que ser uma grande chefe significaria dizer o que você realmente pensa de uma maneira que ainda permite que as pessoas saibam que você se importa” diz Kim Scott, ex-executiva da Google e da Apple e autora do livro “Radical Candor: Be a Kickass Boss Without Losing Your Humanity” (ainda sem tradução para o português).

Segundo Scott, o segredo para ser um bom chefe, surpreendentemente, é deixar os colaboradores darem feedbacks aos superiores, não apenas o contrário.

Sinceridade é a palavra-chave para que a transparência organizacional funcione em sua totalidade. E isso não só na comunicação externa (imprensa, clientes etc.), mas também, e principalmente, na esfera interna.

A solidificação de uma imagem transparente da corporação está diretamente ligada a uma estrutura de boa convivência entre colaboradores e liderança. Para que isso ocorra, os feedbacks devem ser parte da cultura e do cotidiano da empresa.

Contudo, a franqueza deve ser uma via tripla: de colega para colega, de líder para colaborador e de colaborador para líder. Analisar de forma positiva um feedback recebido é ter maturidade para saber que a pessoa que lhe disse aquelas palavras duras confia na sua capacidade de absorvê-las e empenhar-se para melhorar.

As reações iniciais, geralmente, são emocionais. Porém, é preciso suprimi-las para racionalizar em vez de discutir.

5. Fortalecimento da comunicação

Como dissemos, fazer parte de uma organização cujas informações são amplamente divulgadas traz confiança e motivação aos profissionais. A melhor política em uma empresa é a honestidade. Nenhum dado deve ficar de fora, tanto os positivos quanto os negativos. Essa é a melhor forma de alcançar a transparência.

Por isso, a Comunicação Interna tem um papel fundamental na divulgação das informações de forma transparente. É ela que vai moldar e mostrar para os funcionários como é trabalhar em uma cultura organizacional transparente e o tom de voz  que a empresa usa e espera que seus colaboradores usem.

Para garantir que a CI ocorra em todos os âmbitos da empresa, de forma ampla, faz-se necessária a adoção de algumas práticas. Algumas delas são:

5.1. Faça reuniões frequentes

A realização de reuniões periódicas com todos os colaboradores para apresentação do desempenho da organização é de extrema importância. Nessas reuniões, podem ser informados fatos que ocorreram no dia a dia e dados mercadológicos sobre o negócio.

Pode-se fazer um alinhamento de condutas e dos passos a serem seguidos nos próximos ciclos. Não se deve deixar de disseminar a missão e os valores da instituição, assim como projetos nos quais a empresa esteja envolvida.

5.2. Mantenha uma política salarial clara e bem definida

Ser transparente em relação à política salarial não significa revelar exatamente os valores dos salários. No entanto, os colaboradores devem saber das faixas salariais em que estão inseridos e das faixas seguintes.

Isso implica que cada profissional deve receber o valor médio de mercado para àqueles que exercem sua função. Não deve haver diferenças salariais inexplicáveis entre colaboradores de um mesmo nível, pois isso seria facilmente descoberto e causaria desconforto entre colaboradores e empresa.

5.3. Diga não à formalidade

Criar uma linha direta de comunicação com diretores é um bom recurso para deixar de lado certos regulamentos que remetem a um passado no qual a direção era inacessível.

O executivo deve ter disponibilidade de ouvir contrapontos e construir em equipe. Assim, os colaboradores terão mais liberdade e, consequentemente, se sentirão mais à vontade para conversar e expor suas críticas e ideias.

5.4. Deixe os números em um livro aberto

A prestação de contas, bem como a estratégia, as dívidas e as angústias, devem deixar de ser um tabu dentro da organização. Se todos sabem das dificuldades, podem buscar juntos as soluções.

Não há dúvidas que implantar a transparência organizacional dá mais trabalho do que manter ou adotar o modelo de gestão vertical. Porém, a recompensa por aceitar o desafio da mudança não é só financeira.

Os resultados elevam a empresa a um status de excelência diante do mercado e, ainda, proporcionam a melhora na qualidade de vida da liderança e dos colaboradores.

Outro benefício da política de transparência é que ela não só atrai talentos, como os retém. Fazendo com que a equipe fique cada vez mais entrosada e engajada.

Se você gostou do nosso conteúdo sobre transparência organizacional, não pode deixar de assinar a nossa newsletter e receber nossos materiais em primeira mão!