Gestão de conteúdo na Comunicação Interna vai além da produção de textos

O que não falta nas empresas da atualidade são meios disponíveis, canais, para a veiculação de informações. TV Corporativa, e-mail, mural, revista corporativa, blog, intranet, redes sociais e smartphones. Seja o meio impresso ou digital, escolher com cuidado as palavras que vai usar e o layout em que essas mensagens serão apresentadas é ponto crucial para atingir os objetivos da Comunicação Interna.

Temos todas as ferramentas e meios à disposição, mas será que somos capazes de utilizá-las de modo a produzir sentido?

A comunicação que deve ser estabelecida com os públicos internos passa por algumas fases de definição. Depois de saber quem é esse público com o qual devemos nos comunicar vem a fase de planejamento de conteúdo: o que devo falar com esse público, de que forma, por quais meios?

É aí que entra a Gestão de Conteúdo.

Muito além da redação de textos, a Gestão de Conteúdo se compromete a definir mensagem e códigos de acordo com os meios disponíveis, que por sua vez são escolhidos com base no público que será impactado. Não adianta, por exemplo, enviar e-mail para profissionais que não usam a internet no seu trabalho, ou colocar informações num jornal mural por onde ninguém passa!

O esforço da comunicação interna nas empresas é de produzir significado, despertar uma atitude, formar opiniões que resultem na construção da identidade da empresa, uníssona apesar da pluralidade dos indivíduos.

Tendo o conhecimento do público e analisando os canais disponíveis, inicia a saga pela forma de apresentação da mensagem. Selecionamos o que é relevante para cada público/canal de comunicação. A partir daí, selecionamos linguagem e imagens que dialoguem com o indivíduo, demonstrem a intenção de ação, sem muito espaço para interpretações, dependendo da estratégia. No caso de um teaser, por exemplo, a intenção de ação é velada num primeiro momento, mas na sequência o projeto deve deixar clara a mensagem que quis explicitar.

O desafio de manter colaboradores alinhados ao planejamento estratégico da empresa é contínuo. Dificilmente uma campanha de posicionamento de cultura/identidade surtirá efeito sendo veiculada esporadicamente.

Os resultados mais profundos da comunicação interna são medidos pela satisfação do colaborador, engajamento e senso de pertencimento. Conceitos tão abstratos levam tempo para ser enraizados e precisam de manutenção recorrente. O cuidado com o texto e a composição das mensagens, assim como o reforço constante, é o que garante que o colaborador tenha confiança na mensagem e internalize os conceitos.

Ter a carteira assinada não transforma um colaborador em parte da empresa, isso se dá a partir da absorção de mensagens coerentes e claras das ideologias da companhia, na transparência do “jeito de ser”. É papel da Comunicação Interna alinhar os três elementos principais de uma empresa – negócio, planejamento estratégico e colaborador – a fim de fomentar a compreensão dos conceitos e significados que vão balizar ações dentro da empresa e fazer com que o comportamento dos colaboradores siga de forma natural.